09 março, 2011

confusão

não, não vou escrever mais um dos meus textos, este é mesmo verídico, sentido e para ti. não é uma história hipotética sobre a qual traço uns rabiscos e escrevo umas linhas, esta história és tu, sou eu, é o que tenho para te dizer.
sei lá que merda é esta, estou super confusa. sei que gosto de te ter comigo, sei que os teus olhos me dizem  tudo e é quase impossível resistir quando olho para ti. as dúvidas acabam assim que te tenho perto de mim, depois só tenho a certeza que é contigo que devia estar.. parece que tudo pára e nem o futuro nem o passado se metem no meio.
lembro-me de como tudo tudo começou, lembro-me de mal de te conhecer e já sentia alguma coisa, não são coisas que se expliquem - sentem-se. não me apetece estar com mais ninguém, apeteces-me tu e apeteces-me muito, apetece-me aquilo que não vou ter, como sempre.
admito, tenho ciúmes parvos sem nexo nenhum porque tu já não me pertences e não tenho direito de sequer pensar estas coisas estúpidas (ainda por cima logo eu, parece mesmo hipocrisia).
gosto de te encontrar nos sonhos - é uma das únicas maneiras de te ter perto e mim, seja quando for. gosto quando te lembras de mim de que maneira for, ou quando dizes que também tens saudades minhas.
sim, tinha tanta coisa para te dizer, tanta coisa que podíamos fazer. pode ser que sim, um dia destes não preciso de esperar mais, um dia destes vens ter comigo. estou farta das mensagens que depois se perdem, das palavras que não se dizem e das vezes que nem me respondes.
saudades? pois, como tu dizes devem ser só saudades ou mais uma das minhas pitices.. hoje apeteceu-me escrever para ti e exclusivamente para ti.


3 comentários:

Carolina disse...

adorei o sentimento. o texto estava muito sentido. parabéns.

filipa . disse...

porque é verdade :)
obrigado

Carolina disse...

de nada :)