04 dezembro, 2010

tem dias, tem nostalgias

quando duvidas... duvidas da tua presença, do que fizeste, se valerá a pena levantares-te da cama. dás por ti envolvida nos lençóis entre lembranças e esperanças; pensas na confusão, no frio, em tudo o que te espera e simplesmente apetece fechar os olhos e dormir como se o tempo parasse indefinidamente.
aí, fecho os olhos por um momento, dou por mim no espaço entre o sonho e a realidade, onde penso, na corda bamba, com o desejo e a verdade opondo-se um ao outro. caiem as lágrimas, secas, só eu é que as vejo; não caiem no meu rosto, escorrem pelo coração.
não me posso atrasar, o despertador já se cansou de tocar. acordo e deixo na cama tudo o que sonhei, tudo o que no fundo sei ser (im)possível... acordo de olhos bem receptivos e abertos, de alma cheia e com a mente a mil. quase que me arrasto com a chuva que me cai na entrada, nostálgica e impaciente, tal como eu. as horas ultrapassam-se, as ideias encaixam-se umas nas outras e assim tudo bate certo. as dúvidas desvanecem-se, o sol aparece á janela e afinal valeu a pena levantar-me da cama.
nem todos os dias nos apetece existir, raramente acontece o que nos apetece.

2 comentários:

Anónimo disse...

adorooo !

filipa . disse...

(: